Resenha | Reparação

terça-feira, 7 de julho de 2015


Autor: Ian McEwan
EditoraCompanhia das Letras
Páginas272 (edição econômica)
Ano2011
Classificação: 
SinopseNa tarde mais quente do verão de 1935, na Inglaterra, a adolescente Briony Tallis vê uma cena que vai atormentar a sua imaginação: sua irmã mais velha, sob o olhar de um amigo de infância, tira a roupa e mergulha, apenas de calcinha e sutiã, na fonte do quintal da casa de campo. A partir desse episódio e de uma sucessão de equívocos, a menina, que nutre a ambição de ser escritora, constrói uma história fantasiosa sobre uma cena que presencia. Comete um crime com efeitos devastadores na vida de toda a família e passa o resto de sua existência tentando desfazer o mal que causou.
Aos poucos eu vou ficando em dia com os meus desafios... 

Já tinha ouvido falar bastante sobre este livro, do conceituado autor Ian McEwan. Sabia que ele tratava de arrependimento, culpa, amor e inocência. Fiquei naquela de "compro, não compro" por meses até encontrá-lo em um bom preço, e aí, quando chegou em casa, levei mais algum tempo para começar a ler. Acho que fiz certo, pois é um livro que requer do leitor alguns momentos de reflexão, sem pressa.

Briony é a personagem principal, uma menina de 13 anos que sonha em ser escritora. Como eu e ela temos este fator em comum, foi muito fácil me identificar com ela. Briony é sonhadora e esperta, mas mesmo assim, tem aquela ingenuidade das crianças, e esta ingenuidade é que a leva a cometer um crime e carregar a culpa por muitos e muitos anos.

Eu pensava que só a cena da fonte que seria a responsável pelos mal entendidos que fazem Briony se sentir culpada ao decorrer dos anos, mas não; são diversos acontecimentos que convergem para um enorme problema. Peças que se encaixam, e como temos uma visão do todo, é impossível não ficar um pouco apavorado pensando: "não, Briony, não é isso que você está pensando!". Eu fiquei louca de raiva quando vi a bola de neve que estava se formando, queria entrar no livro e dar uns tapas em cada personagem, haha. A gente se sente muito impotente, e acho que esta foi a intenção do autor.

O livro é dividido em três partes. Na primeira, o autor nos conta todos os acontecimentos da fatídica tarde de verão de 1935; na segunda, temos uma visão da guerra e na terceira, a conclusão e as consequências do que ocorreu na primeira parte.

Gostei muito do início do livro, mesmo não sendo muito fã de romances históricos. Este aqui não se passa há tantos anos, mas há descrições de roupas, arquitetura e costumes bem típicos da época. A narrativa é em terceira pessoa e o autor alterna os pontos de vista ao longo do livro, trazendo mais dinamismo e deixando a obra mais rica.

Lá pela metade da história, na segunda parte, eu travei um pouco. Isso porque somos levados meio de supetão ao auge da Segunda Guerra, e é um período muito dramático e pesado. Fiquei angustiada o tempo todo. Este desenvolvimento foi muito útil para preparar o leitor para o que viria a seguir, na conclusão da obra.

A terceira e última parte ainda trata bastante da guerra, porém de um ponto de vista um pouco diferente. Sofri bem mais, até cheguei a ficar com os olhos marejados. Não considero spoiler o que vou dizer agora, mas o que mais me emocionou foi pelo ponto de vista ser da Briony. Ela tem uma função importante durante a guerra e é muito triste vê-la tentando dar o seu melhor, todo o seu desespero em meio a uma situação que foge ao seu controle. Acredito que boa parte das frases de impacto são ditas durante esta terceira parte.

Imagens: Stephanie Bertram

Ian foi bem ousado no desfecho de Reparação. Fugiu do clichê e trouxe um quê de realidade bem chocante. Tudo o que eu esperava que fosse acontecer, aconteceu o oposto. A mensagem que ficou comigo foi a de que nem sempre somos capazes de contornar e apagar nossos erros, mas o fato de termos consciência e nos arrependermos pode ser suficiente para que pelo menos tenhamos paz.

Não posso deixar de falar sobre os outros personagens apresentados na obra, que são tão tridimensionais quanto Briony: Robbie, Cecelia, Leon, Emily, Lola e tantos outros que foram muito bem escritos e verossímeis. Cada um deles tem um passado, dúvidas, anseios e defeitos. Até aqueles que pouco apareceram, soaram para mim como pessoas reais.

Foi muito gostoso acompanhar a trajetória de Briony; desde sua infância até a fase adulta. Acredito que o autor soube captar muito bem como é a mente de uma pessoa criativa, o tempo todo tendo ideias, imaginando cenários, desenvolvendo histórias. No final há uma metalinguagem sensacional, que a princípio me confundiu um pouco, mas depois fez todo o sentido. Mostra como o escritor é, de certa forma, um tipo de deus.

Espero que tenham gostado da resenha, e não se esqueçam de deixar aquele comentário maroto, ok?

PS.: A intenção era ter assistido ao filme antes de publicar a resenha, mas já estou tão atrasada com este post que preferi deixar pra lá. Mas quero muito assistir Desejo e Reparação.


Esta resenha faz parte do Desafio Literário I Dare You (saiba mais clicando aqui).
Tema de Maio: Romance Histórico

Beijos e até o próximo post :*

6 comentários:

  1. Eu estou louca para ler esse livro há tempos! Desejo e Reparação é um dos meus filmes preferidos e eu sempre choro horrores! Queria muito ler o livro porque sei que com certeza é bem mais intenso. Mas também fico nessa de comprar ou não. Por coincidência, hoje mesmo cheguei a colocá-lo no carrinho da Saraiva Online, mas desisti e troquei por um mais barato. Mas não desisto, um dia eu compro! Ou aproveito meu aniversário chegando e peço de presente hahaha
    E assista o filme! Sou suspeita para falar, porque amo muito, principalmente por ter meus atores preferidos no elenco. Depois me diz o que achou!
    Beijo

    www.blogrefugio.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou dessas também que põe coisas no carrinho e desiste depois. Faço isso sempre! rs e pedir de presente é sempre uma boa ideia ;) consegui o meu por um preço bom na Amazon. É edição econômica mas não me importei.
      Vou assistir sim! Tenho certeza que vou chorar, só de lembrar aquele final... O elenco é ótimo né?! Só atores que adoro.

      Obrigada pelo comentário, Cecília, beijão :*

      Excluir
  2. Não sabia da existência desse livro, até agora e olha...deu uma vontadezinha de ler! Gosto de livros assim! Arrasou na resenha, super completa!
    Beijão
    http://www.pequenaverissimo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério? Poxa, que bom que ficou curiosa! Me avisa depois se ler :}

      Obrigada pelo comentário, beijoss

      Excluir
  3. Que resenha excelente, Stephanie!

    Você tem uma boa argumentação, tece contrapontos e faz uma análise bastante completa do livro. É ótimo ler um texto assim.

    Conheço muito pouco de Ian McEwan, minha única experiência com ele foi em "A Balada de Adam Henry", mas, a partir disso, posso imaginar que não tenha sido uma leitura fácil. Fiquei bastante curiosa.

    Beijo!

    www.dear-book.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mary, obrigada!

      Realmente este livro não é dos mais fáceis, por isso tive que escrever uma resenha mais longa para tentar explicar da melhor forma como me senti durante a leitura. Tenho vontade de ler outras obras dele, principalmente Na Praia.

      Beijão!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Topo ↑